quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Escrito no papel de pão...

Este bilhete foi encontrado junto de uma letra de musica de autoria desconhecida em um lugar muito distante, mas é tão comum que poderia embalar qualquer forma de amor imperfeito. Ela queria ser livre ele não sabia o que ser...


Bom dia,

Não sei como posso te falar sobre o que há muito já foi dito, mas se meu coração pede, não posso me calar.
Naquele dia em que tudo parecia dar errado e se esvaindo pelo ralo você me disse que eu podia ficar tranqüila, mas hoje essa calmaria não tem sentido!
Tudo está de cabeça pra baixo e eu já não me encontro mais na bagunça do meu mundinho solitário...
Já que essa história tomou esse rumo tão clichê dos amores inseguros, me sinto à vontade pra ser mais do mesmo!
As nossas promessas silenciosas, ditas no olhar mais verdadeiro, estão gritando no silêncio deste quarto e eu não sei como calar essa verdade insana na porta da nossa história!
Ela grita pra mim o que você não tem coragem de dizer...
Diz que não dá mais, diz que não é suficiente, e até mesmo q somos bons demais pra estarmos juntos...

Hoje decidi fazer minhas malas, e voltei pro meu mundinho...
Não quero você tocando a campainha da minha solidão, da minha proteção longe disso aqui!
E se você não está entendendo o que eu te digo agora... É simples: você não é o que meu coração precisava, mas invariavelmente você acabou se tornando o que ele mais queria!
Não posso dar mais um passo infalso, não posso seguir meu coração...
Sou muito má pra estar com você...
Estou indo embora, aliás, já o fiz há muito tempo, só você que não viu...

P.S: esse bilhete está escrito na letra da musica que você fez pra mim, afinal ela justifica muito bem minha ausência! E já que estarei ausente não se esqueça da ração do gato nem da água do passarinho, e se você conseguir engolir isto também deixei comida no freezer pra você!
“no mais, estou indo embora...”

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Adoro sua voz rouquinha e seu jeitinho pretensioso...
A mehor mistura entre o whisk escocês e o romance italiano! video

I'm going in for the kill...

Do escuro saem meus mais sombrios devaneios
Não estou mais aqui, não estou para as convenções
Saem de mim somente minhas más intenções ...

A noite já não me assunta, só me atrai
E traz de mim um lado inflexível e seguro
Não tenho noção da força que me faz esquecer
O sol lá fora...
Só sei que é mais do que eu supunha!

Aqui dentro sou eu e meu ego...
Sem espaço pra doçura e pro sentimento!

Hoje eu estou indo pela matança...

A matança da fragilidade que havia
Se instalado sem pedir licença...
A escuridão retmomou o seu lugar...

I’m going in for the kill!